sexta-feira, 7 de outubro de 2011

O aldrabão convicto

   Outra sub-espécie interessante da fauna onde o ser humano se move é o aldrabão por convicção: distingue-se do aldrabão simples porquanto tudo  o que faz ou fará será conseguido a poder de esquemas e jogadas, no intuito do proveito rápido à custa de terceiros; enquanto o aldrabão simples aldraba se a oportunidade flagrante se escarrancha desavergonhadamente à sua frente (e quantos de nós não fomos já tentados por esses pequenos momentos de subversidade e quantos de nós a isso tentados não sucumbimos ante a possibilidade da transgressão?!),  os aldrabões convictos procuram a aldrabice como objectivo primeiro; dão-se bem em profissões de contacto físico directo com o outro  porque gostam da aldrabice personalizada, o trato olho no olho, a manha do engano no diálogo com o cliente; são pessoas extrovertidas, alegres e bem falantes; movem-se em negócios de pequena envergadura porque lhes falta a inteligência e o engenho para darem o salto para voos mais altos; normalmente vão criando anti-corpos junto dos clientes aldrabados, mas imunes a isso vão percorrendo o seu caminho na senda do pequeno embuste, como se a isso sejam compelidos inexoravelmente: é quase uma doença, uma necessidade física absoluta, uma  propensão premente para o logro! É por inerência um mentiroso compulsivo, mente com quantos dentes tem na boca e fá-lo sempre com um grande sorriso porque vive feliz na mentira!Procure-se o bom aldrabão, numa multidão de gente: será sempre aquele que diz que fez e aconteceu, o gabarolas pedante  cheio de referências cagonas, não poucas vezes de apelido vagamente sonante, de muitos pronomes e nomes, da língua materna ou nem por isso; acrescenta-se a tudo isto algumas, certas, relações de amizade, muito show of  e alguma pelintrice entre paredes, muito mas muito verniz velho prestes a estalar e completa-se o retrato! 

Sem comentários:

Enviar um comentário