domingo, 31 de outubro de 2010

Lojas giras - retrosaria

   Gosto das retrosarias! Adoro os armários dessas lojas, cheios de gavetinhas, caixinhas e prateleiras repletas de linhas, botões, fechos, fitas, colchetes e outras coisas mais. Acho o máximo aqueles balcões enormes de madeira! Em Angra descobri uma loja que se enquadra perfeitamente na noção que eu tenho de como deve ser uma retrosaria para ser uma retrosaria a sério! Aqui ficam as imagens!





Angra - Centro Cultural e Arredores

   Só uma pequena nota: a escultura do toiro (mais uma) encontra-se no pátio do Centro Cultural de Angra, espaço da antiga praça de toiros!













sábado, 30 de outubro de 2010

Praia da Vitória

   Admito que considero a cidade de Angra mais bonita e vistosa que a cidade da Praia da Vitória, também é difícil concorrer com Angra, penso eu, que sempre a achei uma das cidades mais bonitas que já conheci mas ultimamente tenho encontrado alguma graça à cidade da Praia: tem uma escala mais pequena mas está virada para o mar, a praia dá-lhe encanto apesar de continuar a pensar que a cor da areia é muito importante, a zona nova de diversão nocturna juntinho à praia, a marina, as Festas de cidade tornam-na muito mais atractiva!





















terça-feira, 26 de outubro de 2010

Mercado de Angra

   Os dias têm estado bons e isso significa que os pescadores vão ao mar e nós temos bom peixe! Hoje resolvi que era o dia do peixe lá em casa! O Mercado de Angra fica mesmo no centro pelo que nem sempre dá muito jeito passar por lá mas efectivamente arranja-se excelente peixe. Visto os bichos expostos e porque os cozinhados têm que ser simples resolvi-me por chicharros (os carapaus continentais), uma boca negra e duas garoupas: chicharros a 3 eur/kg, garoupa a 5,50 eur e boca negra a 6,50 eur.







segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Receitas da Ilha Terceira

    1. Queijadas de Leite


   Após o passeio ao Algar do Carvão dos profs houve a merenda! Eu fui motorista pelo que livrei-me dessa questão mas os meus colegas trouxeram coisinhas boas para comer e nos doces houve um excelente bolo de laranja e um pedaço de felicidade chamada de Queijada de Leite! Que coisa divinal! É claro que as 500 calorias gastas na caminhada foram logo repostas a dobrar  nas duas e três queijadas engolidas de sopetão, tipo Monstro das Bolachas! Pedi logo a receita porque fiquei verdadeiramente impressionada! E não fosse dar-me a lazeira aqui fica a prova que as fiz e as comemos com grande gula!

Receita (dá para 24 queijadas)

400 gr açucar
4 ovos
50 gr manteiga (se fosse a Niggela punha manteiga sem sal e adicionava uma pitada de sal mas como não sou tão refinada é mesmo manteiga com sal)
100 gr de farinha
1/2 litro leite

Batedeira com a mistura, deitar em forminhas, polvilhar com canela q.b. forno a 180º uns 40 minutos. 

A consistência é seco junto à forma e menos cozido no centro


                  Ver fotos (estou tão orgulhosa!)

                          antes
                        depois

Trabalho de Campo - Algar do Carvão


Como professora de uma turma do 6º ano faço parte de um projecto denominado de Projecto de Sustentabilidade que, espero vir a entender completamente, quando entrar em formação esta semana! Nos Açores vim a descobrir esta ideia peregrina ( peregrina no sentido de ser inovadora e hoje em dia os meus colegas professores sabem que INOVAR é que é a palavra-chave...adiante, não me vou deter mais nesta questão!). É verdade, na Região Autónoma dos Açores, a secretaria regional deliberou que uma semana de formação (a chamada Janela de Formação) no primeiro período  e mais outra janela em Junho era indispensável! Putos p'ra casa que os professores estão em reciclagem intensiva! Sendo assim, a primeira parte da minha formação consiste numa visita de campo ao Algar do Carvão (falarei neste mais adiante) com o restante conselho de turma! Na visita de campo, aos professores era pedido que, munidos de máquinas fotográficas recolhessem evidências (ora aqui está outra palavra na moda na gíria docente) da biodiversidade da fauna e flora da ilha! Roupinha adequada, botas de caminhada, corta-ventos e demais adereços que no centro da ilha o vento é agreste! As evidências fotográficas abaixo o comprovam!
   Iniciado alegremente o nosso  passeio, vimos logo mais à frente uma manada de bichos negros com cornos, vulgo toiros, o que desanimou alguns elementos do grupo! Exclamações de seres entendidos, ai não se preocupem, os toiros não investem se estiverem em manada, são animais gregários que preferem afastar-se a atacar... se na remota eventualidade de investirem chegas-te para o talude e permaneces quieto, eles só investem ao movimento... e se eles ouvem o meu coração a bater, se não conseguir parar de tremer com as pernas, se aparecer por aquela estrada uma manada de toiros tipo S. Fermin.... se...se...uma galhofa pegada! Uns mais afoitos adiantaram-se a servirem de batedores, que emoção... que responsabilidade...este passeio prometia, pensava eu, já a fazer filmes...
   No final, após andarmos uns dois quilómetros (porque será que no regresso a sensação é que se andou menos ou que se gastou menos tempo?!) em que fotográfamos tudo o que achámos ter alguma importância mas não vimos nada de muito significativo ou de uma biodiversidade por aí além regressámos à base! Da minha parte não consegui captar nenhum bicho, nem coelhos nem passarinhos, nada! Uma certa desilusão, confesso! Fiquei-me pelas plantinhas todas muito singelas. Algumas árvores características da terra, no entanto a paisagem é de cortar a respiração, o capacete de nevoeiro dá-lhe uma certa graça e mistério, eu gosto! Aqui ficam algumas imagens do percurso pedestre realizado pelo conselho de turma do 6º1 da Escola Básica e Secundária Tomás de Borba.










 Esta coisa indecifrável faz-me lembrar aquela baba nhanhenta que saia das máxilas nojentas do alien, personagem principal e inesquecível do filme - Alien, o oitavo passageiro do  realizador Ridley Scott. Não sei se estão a ver: uma baba meia peganhenta verde e mortalmente ácida que derretia qualquer superfície onde caia! Sei que não é uma comparação muito feliz mas é a única que me ocorre!
  
                                    

                                    

                                    

                                   

    Um simples poejo! Pulula alegremente por todo o campo! 

                                      

                                      

                                      

                                      

                                      

                                      

                                      

                                      
                                     
             O que faz lembrar esta foto?
                                     

                                    

                                     

                                     

                                     

                             

                                     
    É mesmo o que estão a pensar! Uma bosta de vaca, boi ou parente estrategicamente lançada para efeito "mina"!