quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Facebookiando...

   Sabia que mais cedo ou mais tarde teria que falar nisto, fatal como o destino, assunto de agenda actualíssimo. Primeiro que tudo que fique claro que quando critico ou ironizo é a mim principalmente que censuro: sou culpada de todos os pecados facebookianos, tudo o que condeno no uso e abuso deste instrumento de cusquice instituída eu faço ou fiz, caminho  penosamente para a luz mas o percurso é longo e os hábitos (vícios) são difíceis de debelar. 
   O facebook é poderoso e apodera-se de nós, dos fortes e dos fracos, altamente democrático, serve bem toda a gente desde os incultos aos verdadeiros cultos, é tranversal, longitudinal e horizontal; faz casamentos, desfaz relações, faz-nos saber onde estão os nossos amigos e aqueles que não nos dizem nada mas que, por artes quase mágicas são nossos amigos à força, todos aqueles a quem aceitamos amizade, a quem não nos interessa a minima se estão vivos ou mortos mas a quem damos, contra todas as previsões, mais tempo da nossa atenção quanto seria esperado.
   Serve para saber quem é popular e quem vive em completa sombra, por mais graça que tenha e mais vídeos interessantes que apresente; permite saber quais são os amos e quais os lacaios, as versões lambe-cus virtuais, aqueles seres vagamente amorfos que vivem em comunhão online com os seus deuses, os campeões dos likes facebookianos; sabe-se quem merece todo o nosso respeito e admiração pelo número de "gosto" que consegue por cada entrada no seu mural! Se se quiser perder algum tempo em estudo verificar-se-à que, regra geral, a opinião é de concordância com a ideia inicial lançada, não há verdadeiramente debate, contradição; não é para isso que serve o face. Se se observa algum comentário mais azedo é certo e sabido que não haverá nenhum like de ninguém, os que interessam e os que não interessam e ninguém quer ser ostracizado por se armar em esperto e causar o mau ambiente na discussão! ( que de discussão não tem nada). Tal comportamento é condenável, mudamente condenável, dizer coisas que se pensa é o cumulo da idiotice, pode achar-se o que se achar mas, principio não escrito no facebook aceite como universal: não criar más ondas, não discordar na essência, usar da ironia mas no geral concordar com tudo o que se diz e de preferência em termos entusiásticos e quase orgasmáticos! Condescender, assentir, relevar, brincar,maravilhar, concordar,  verbos aceites e obrigatórios!
   Antes que me esqueça...vai já para o facebook! 

   Se não obtiver reacções é o cumulo da impopularidade e sendo assim é melhor que me reduza à minha óbvia insignificância.
   

Sem comentários:

Enviar um comentário